Câmara Municipal de Porto Alegre/ Cuthab busca ajuda para famílias afetadas por ocupação.

Permanece a discussão para adequação de moradia às 21 famílias que tiveram seus lotes ocupados no Loteamento do Bosque, localizado no Bairro Rubem Berta, na Zona Norte. Os problemas que envolveram a ocupação do local foram debatidos e feitas adequações necessárias com intermediação do Legislativo municipal. Nesta terça-feira (20/3), o tema voltou à pauta em reunião da Comissão de Urbanização, Transportes e Habitação (Cuthab), da Câmara Municipal de Porto Alegre. Para pedir providência para as 21 famílias cadastradas regularmente para estabelecer moradia no local, Keli Cristina Prado, representante da Associação de Moradores do Loteamento do Bosque, lamentou o descaso do Executivo municipal com os cidadãos que aguardam soluções para os problemas de habitação, há cerca de 10 anos. Keli explicou que a área foi repassada pelo Estado à Prefeitura em 2005, para a construção de 302 residências com o objetivo de abrigar famílias que ocuparam um prédio abandonado no Parque dos Maias.

Segundo ela, através de convênio com a Prefeitura o governo do Estado ficou encarregado de efetivar as obras de infraestrutura no loteamento, e o Departamento Municipal de Habitação (Demhab) de comprar a área. A construção das moradias ficou a cargo de financiamento pela Caixa Econômica Federal (CEF). Na oportunidade, foram construídas 241 residências populares, restando construir outras 61. Keli informou que, com a falta de orçamento para as devidas construções nos lotes designados às referidas famílias, ocorreram vendas irregulares de lotes, e os terrenos projetados para assentamento das famílias restantes e os destinados para a construção de escola, posto de saúde e comércio foram ocupados irregularmente. “Várias reuniões e acordos foram feitos entre o Demhab e as famílias prejudicadas, mas nada foi feito”, explicou, ressaltando que o problema se “arrasta, causando sérios desdobramentos, tendo em vista que não foi disponibilizado aluguel social ou alternativas para habitação regular aos cidadãos cadastrados corretamente”.
0