Saiba quem são os 'escolhidos' para o bunker mais profundo do fim do mundo.

O espaço está localizado no parque nacional sob as montanhas Western Hills, a 20 quilômetros de Pequim, na China.
Construído para salvar os altos comandantes da China, junto a seus conselheiros e tropas em caso de uma catástrofe mundial, o mais profundo bunker nuclear do mundo, localiza-se no parque nacional sob as montanhas Western Hills, a 20 quilômetros de  Pequim.  Encontra-se em cavernas cársticas consideradas as mais profundas do mundo e tem capacidade de abrigar um milhão de pessoas. As cavernas cársticas dessa cordilheira se estendem por mais de dois quilômetros abaixo da terra, informou o cientista Qin Dajun, do Instituto de Geologia e Geofísica da Academia de Ciências da China, que estuda essa área. "Sabemos que são as cavernas mais profundas do mundo", declarou o pesquisador, citado pelo jornal South China Morning Post. No topo localiza-se uma grossa camada de rocha que inclui granito — um dos materiais mais duros e densos na natureza. Além disso, a recente pesquisa governamental mostra que a zona possui reservas suficientes de águas subterrâneas para abastecer as necessidades de um milhão de pessoas. O bunker faz parte do Centro de Comando de Batalha Conjunto da Comissão Militar Central. A existência do bunker surgiu em 2016, quando a mídia local cobria a visita do presidente chinês, Xi Jinping, às instalações. No entanto, até o momento é desconhecida a profundidade que se localiza o refúgio e quando foi construído. Ao mesmo tempo, a mídia governamental informou que os trabalhos de construção começaram há dezenas de anos. De acordo com os especialistas na área nuclear, para resistir a um ataque nuclear, o bunker deve estar rodeado por rochas de mais de 100 metros de densidade. Nas cavernas há espaço suficiente para abrigar uma cidade pequena e abastecimento estável de água potável, ainda que alguns especialistas questionem a possibilidade de utilizá-la em caso de ataque nuclear. Por exemplo, o cientista da Universidade do Sul da China, Liu Yong, destacou que as partículas radioativas permanecem na água e no solo durante um período de tempo mais longo do que no ar e podem também penetrar em lagos e rios subterrâneos. Por esta razão será necessário purificar a água antes de utilizá-la. Nessa conexão, o especialista assegurou que a China conta com tecnologias e equipamentos necessários para isso.
Saiba quem são os 'escolhidos' para o bunker mais profundo do mundo
0