Em pronunciamento, Maduro critica Argentina, Brasil e Canadá.

Durante discurso, o mandatário agradeceu o Brasil e Canadá por atacar a decisão da Assembleia Constituinte, que não reconhece.
O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, ironizou nesta quarta-feira (27) a decisão do Brasil e Canadá de expulsar os diplomatas venezuelanos dos respectivos países, e chamou o seu homólogo argentino, Mauricio Macri, de "rato de esgoto" e "padrinho da máfia" da "extrema-direita" venezuelana. Durante discurso, o mandatário agradeceu o Brasil e Canadá por atacar a decisão da Assembleia Constituinte, que não reconhece. "Me agrada muito que o governo não eleito de extrema direita do Brasil e o governo com complexo imperialista, de extrema direita e racista do Canadá tenham reconhecido o poder plenipotenciário da Assembleia Nacional Constituinte", disse. "Chanceler, agradeça a eles de minha parte, por favor, oficialmente, por escrito", determinou Maduro a seu ministro das Relações Exteriores, Jorge Arreaza. No último sábado (23), a presidente da Constituinte, Delcy Rodríguez, declarou "persona non grata" o embaixador brasileiro Ruy Pereira, e expulsou o encarregado de negócios canadense, Craig Kowalik. Entretanto, nesta terça-feira (26), o Brasil fez o mesmo com o diplomata venezuelano Gerardo Delgado, encarregado de negócios e o mais alto funcionário de Caracas no país, em reciprocidade à decisão do governo de Maduro.
0