Governador do RS,Sartori evita dar prazo para entrada em vigor de acordo por recuperação fiscal.

Governador sustentou que medida é necessária, mas não é "tudo para o Rio Grande do Sul"
Sartori admite que recuperação fiscal não é tudo para Rio Grande do Sul | Foto: Luiz Chaves / Palácio Piratini / CP
Apesar de priorizar o corte de gastos em seu governo, José Ivo Sartori admitiu que a "recuperação fiscal não é tudo para o Rio Grande do Sul". Em quase três anos, o governador parcelou salários, aprovou a extinção de fundações estaduais e aumentou da taxa de contribuição do servidor para a Previdência Social. Na tarde desse quarta, Sartori entregou ao presidente da República Michel Temer o pré-acordo para adesão do Rio Grande do Sul ao Plano de Recuperação Fiscal. "O regime de recuperação fiscal não é tudo para o Rio Grande do Sul, mas é necessário, é um caminho para atender as necessidades fundamentais (da sociedade)", explicou o governador em entrevista coletiva a imprensa que o acompanha. O governo já está em contato com a Advocacia-Geral da União (AGU) para mediar a aprovação do acordo e com isso a renegociação da dívida do Estado com a União, principal argumento do governo Sartori para parcelar salários dos servidores estaduais. Contudo, não há prazo para que a medida comece a vigorar. "Eu não posso dizer se vai ser amanhã ou depois. Acredito que o grande passo já foi dado", ressaltou Sartori, que disse estar alivado com a entrega do plano.
0